2 comentários

O Governo Português é pródigo em pedir sacríficios aos estudantes, nomeadamente, através dos cortes nas bolsas de acção social escolar, sob a batuta da necessidade de cumprir as obrigações constantes do PEC. Por momentos, esqueçamos que é fundamental o investimento público nos sectores-chave, para estimular a actividade económica privada quando esta se contrai e para procurar obter dividendos a longo prazo. Esqueçamos, portanto, esta concepção macroeconómica e aceitemos as concepções liberais europeístas e nacionais, que visam estabelecer uma minarquia, onde o Estado se ausenta das suas obrigações sociais, nomeadamente no que há educação e promoção do conhecimento dizem respeito. O Estado não pode pedir, neste momento, sacríficios à comunidade estudantil, quando não são exemplares na gestão da res publica. Além da contraproducência económico-financeira, é completamente imoral. O Estado só pode pedir sacríficios aos estudantes, quando cumprir três pré-requisitos elementares para a qualidade do ensino e correcta racionalização dos recursos:

 

Ponto Primeiro: Racionalização dos serviços, cursos e do número de instituições de ensino superior. A título de exemplo, Portugal tem 17,45 instituições de ensino superior por milhão de habitantes; os países europeus com similar demografia têm em média 7,61. Quanto aos cursos, só no Distrito do Porto, 6 Instituições leccionam Psicologia, outras 6 Enfermagem, numa média de mais de 600 vagas por ano cada.

 

Ponto Segundo: O financiamento das instituições não é claro e equitativo ou com objectivos claramente definidos e havendo uma relação mérito-financiamento. As dotações orçamentais para os SAS do IPP são de 50€/aluno, enquanto em Coimbra e Açores são 300€/aluno, por exemplo.

 

Ponto Terceiro: Efectivação do disposto na Lei de Bases de Financiamento, onde consta que as receitas próprias, nomeadamente propinas, deverá ser usado para o melhoramento do sistema de ensino. Actualmente, o que se verifica é uma utilização para o pagamento de custos fixos e não uma canalização para o investimento.

 

Depois, creio, que estarão reunidas as condições para exigirem sacríficios da comunidade estudantil. Até lá, esperamos pela coragem e exigência política não percepcionáveis actualmente.

 

Cláudio Carvalho

Tags: , , , ,
comentar

Pela reeleição de Paulo Portas com 95% dos votos, o CDS-PP, merece esta dedicatória especial "fim de semana":

 


Não estou a insinuar nada... Parabéns Rodrigo e camaradas.

 

 

Cláudio Carvalho

Tags: , , , ,
comentar

"Como avalia o trabalho do ministro Mariano Gago até ao momento?" | "Acho que foi muito positivo a abertura e a possibilidade que o senhor ministro deu a algumas instituições que passassem a fundações e terem alterado o seu modelo de governação, reduzindo a dependência dos reitores da eleição pelos alunos, que me parecia altamente prejudicial à liberdade dos reitores."

“A gratuitidade é a grande responsável pelo insucesso no ensino superior”

Braga da Cruz, reitor da UCP em declarações ao Económico

 

 

Cláudio Carvalho

Tags: , , ,
1 comentário

Estou farto da choradeira populista da cidadania de sofá, de quem vomita, sem pensar duas vezes, precariedade, desemprego, Estado, políticos, oligarquia, revolução, and so on... Há uma forma excelente de fazer a revolução em democracia... chama-se sufrágio eleitoral!

 

Cláudio Carvalho

Tags: ,
comentar

Cláudio Carvalho

Tags: , ,
comentar

 

No último mês, alguns de nós, andaram também pelo Alegro Pianíssimo: http://alegro.blogs.sapo.pt/

 

 

Cláudio Carvalho

Tags: , ,
comentar

Numa altura em que o perigoso populismo eleitoralístico anti-político fede, é bom que os portugueses se lembrem que não são exemplos de cidadania. Nomeadamente cerca de 80% de nós... Não podemos pedir melhor representação democrática, se não somos exemplos de cidadania solidária e democrática.

 

 

Motivo mais invocado para a não realização de trabalho voluntário: "Tenho coisas mais importantes para fazer" 38,2%...

 


De um estudo bem conhecido de Pedro Magalhães e de Jesus Sanz Moral para o "Centro de Sondagens e Estudos de Opinião da Universidade Católica Portuguesa "Os jovens e a política"

 

 

Cláudio Carvalho

Tags: , ,
comentar

29 de Abril 2010: PSD teme entrada do FMI em Portugal

20 de Setembro 2010: Orçamento. Fantasma do FMI vai obrigar PSD a salvar o governo

20 de Outubro 2010: PSD: Caso se torne inevitável, ajuda do FMI "será bem-vinda" -- Passos Coelho

23 de Novembro de 2010: PSD teme entrada do FMI em Janeiro

21 de Dezembro 2010: Cavaco: Intervenção do FMI significará que Governo "de alguma forma" falhou

9 de Janeiro 2011: Intervenção do FMI será “um falhanço político grande e grave do Governo”
10 de Janeiro 2011: FMI está cada vez mais perto de Portugal

 

(Imagem daqui: http://camaradecomuns.blogs.sapo.pt/1873740.html)

 

 

Cláudio Carvalho (CC)


Tags: , , , ,
1 comentário

 

 

 

 

Semana fulcral no Sudão. Se o referendo, que se realizará até dia 15, for aprovado, a região Sul (cristã e negra) torna-se independente da região Norte (árabe e muçulmana) cessando, finalmente, com as intermitentes guerras civis. A acompanhar...

 

Cláudio Carvalho (CC)


Tags: , , ,
comentar

 

Cláudio Carvalho (CC)

Tags: , ,
1 comentário

 

"Um estudo recente de dois epidemiologistas defende - e reúne uma enorme massa de dados em favor da tese - que a desigualdade prejudica e a igualdade beneficia a sociedade no seu todo. (...) Se não conseguirmos evitar as grandes desigualdades, precisaremos de mais prisões e polícias. (...) Teremos de enfrentar taxas mais altas de doenças mentais, uso de drogas e uma série de outros problemas."

 

Cláudio Carvalho (CC)

Tags: , , ,
comentar

Bonus Pack

Vale a pena ler "Maradona", no habitual estilo corrosivo, após a parvoeira de José Manuel Fernandes.

 

 

Cláudio Carvalho (CC)

Tags: , ,
comentar

 

Por cá, recomenda-se ao pequeno-almoço o "Para políticos politicamente mais politiqueiros II" pelo Paulo Ferreira e ao almoço o post do Rudolfo de Castro Pimenta Os independentes são perigosos, já dizia Jorge Coelhone.

 

 

Cláudio Carvalho (CC)

Tags: , ,
1 comentário

A sociedade portuguesa, nomeadamente a sociedade de consumo e de informação, anda revoltada com os abusos da empresa Ensitel que, muito pouco inteligentemente diga-se, coagiu uma consumidora a apagar meia dúzia de artigos críticos no seu blogue. Para quem surpreendentemente desconhecer o problema, poderão analisá-lo pelos links em cada uma das palavras precedentes, pelo que abrevio para não alimentar um futuro case-study sobre (mau) marketing e RP.

 

A revolta apresentada é tão surpreendente como exacerbada porque veja-se que, apesar de todo o desbarato de abusos da classe político-partidária dominante (e porque não, também, abusos da alta finança?), nunca observei uma demonstração de descontentamento similar tão espontânea e transversal para com o seio governante e aspirantes a tal. O mesmo povo que enceta um (simples) movimento fortemente agregador e espontâneo como o apresentado é o mesmo que se abstém da crítica, da revolta - não na conotação marxista-leninista do termo - e da participação cívica, começando pela expectável abstenção nas Presidenciais de 23 de Janeiro que nunca será inferior a 40% e acabando no silêncio profundo sobre as políticas traçadas pelos circulos parlamentares dos últimos anos. Assim, não se pode esperar que a classe política se volte a pesar pelos valores e princípios - de que fala aqui o Paulo Ferreira - como no período vintista do século XIX, quando a própria sociedade actual não se pauta por valores morais e princípios dignos. Só o fait-diver, o carpe diem e o consumo pelo consumo interessam nesta sociedade Baudrillardiana, que espera ad eternum um S. Sebastião que trabalhe por elas e lhes mostre o sagrado caminho para o milagre nacional.

 

Seria positivo ver mais movimentos agregadores de cidadãos demonstrando descontentamento (interventivo e construtivo) para com o statu quo. Está na hora de deixar o mero activismo reivindicativo apenas quando somos "atingidos" e deixar a mera "crítica de bancada" e, alternativamente, inundarmos a sociedade civil com participação activa e de forma transversal. O mero activismo sectário não nos levará a lado nenhum: se os estudantes são atingidos abruptamente por cortes na acção social, achamos muito bem porque são todos uma cambada de bêbados (expressão comummente usada); se os polícias têm que pagar integralmente o fardamento e demais material de trabalho e não podem, ainda, ter os mesmos direitos laborais que outro qualquer funcionário público, achamos muito bem porque são todos uma camada de pulhas que só sabem andar à caça à multa; se os bombeiros não recebem, calamos e consentimos; o rendimento social de inserção devia acabar porque são todos "malandros do rendimento mínimo" que não querem trabalhar e o paralelismo podia ser estabelecido para um sem número de outros sectores sociais e profissionais. Alheamo-nos de participar nas causas de terceiros e chegará a uma altura em que estaremos de facto sozinhos para protestar - Als sie mich holten,/gab es keinen mehr, der protestierte - ou já alcançamos esse estado?

 

O alheamento e sectarismo social e profissional que se estende ao político e ideológico é demasiado preocupante; um verdadeiro cancro herdado pela geração seguinte à pós-abrilista. Há que ousar combatê-lo!

 


Cláudio Carvalho (CC)

Tags: , , , ,
comentar

... ou estou a ouvir mal.

 

Defensor Moura disse mesmo que era a favor de taxas de IRS de 60 e 70%? Só faltava o Estado captar 100% dos vencimentos e redistribuí-los...

 

E Fernando Nobre diz que deveria existir uma taxa de IRS de 40%? Conhecerá as tabelas de IRS?

 

Devia haver exames de ingresso para candidaturas à Presidência da República. É que não há desculpa  alguma para estes níveis preocupantes de iliteracia política...

 

 

Cláudio Carvalho (CC)

Tags: , , , , ,
comentar

Cláudio Carvalho (CC)

Tags: , ,
comentar

http://2.bp.blogspot.com/_KITQCROC5uo/S7TMtTPm9_I/AAAAAAAAAD4/pZdCWZjbi_Q/s400/prec.jpg

 

Depois da tirada "Já viu uma criança correr atrás de uma galinha para tirar o pedacito de pão que levava na boca?", Fernando Nobre saiu-se, no debate de ontem frente a Manuel Alegre, com um piscar de olhos ao eleitorado de Francisco Lopes, ao considerar - se não me falha a memória - Vasco Gonçalves como um dos principais consolidadores da nossa democracia. Nobre não tem culpa de cometer gralhas atrás de gralhas, equívocos atrás de equívocos e erros atrás de erros - como ele próprio diz "não é político" e até a sua candidatura terá sido um tremendo equívoco -, mas o que deveria evitar era de fazer passar a néscia figura de educador paternalista e único candidato moral e eticamente capacitado para transmitir bons princípios, costumes e valores. É tão tristemente doloroso ver e ouvir Fernando Nobre colocar-se em bicos de pés, afirmando-se como o detentor da "patente da moral", como ver um qualquer cidadão opositor a Manuel Alegre a considerá-lo de "traidor à pátria". Ambas as posturas revelam desespero e são contra-producentes para com o seu objectivo.

 

Cláudio Carvalho (CC)

Tags: , , , ,

Pesquisar
 
Contactos
camaradecomuns@sapo.pt

Editorial

Visitantes online

Comentários Recentes
Para mim casamento deve ser entre um homem e uma m...
Caro RFCom a modéstia com que foi escrito, podes t...
N sei q espirito deus aspirou pr a Africa. este co...
Mocambique està mais que tudo isto, sinto d...
e há cartas que nunca chegam.
Aguem colocou esta carta excelente na página de PP...
Τambém gosto de brincar aos pobrezinhos.NUNCA MAIS...
Τambém gosto de brincar aos pobrezinhos.NUNCA MAIS...
Everdade este pais precisa de um bom governador k ...
Casino EstorilA falta de escrúpulos veio para fic...
Tags

todas as tags

Links

Esquerda

5 dias
A barbearia do senhor Luís (Luís Novaes Tito)
A Busca pela Sabedoria (Micael Sousa)
A Forma e o Conteúdo (José Ferreira Marques)
A Forma Justa (Tiago Tibúrcio)
A Linha-Clube de Reflexão Política
A Nossa Candeia (Ana Paula Fitas)
Absorto (Eduardo Graça)
Activismo de Sofá (João R. Vasconcelos)
Adeus Lenine
Arrastão
Aspirina B
Banco Corrido (Paulo Pedroso)
Bicho Carpinteiro
Câmara Corporativa
Câmara de Comuns
Cantigueiro
Causa Nossa
Cortex Frontal
Defender o Quadrado (Sofia Loureiro dos Santos)
Der Terrorist (José Simões)
Entre as brumas da memória (Joana Lopes)
Esquerda Republicana
Hoje há conquilhas (Tomás Vasques)
Irmão Lúcia (Pedro Vieira)
Jovem Socialista
Jugular
Ladrões de Bicicletas
Les Canards libertaîres
Léxico Familiar (Pedro Adão e Silva)
Loja de Ideias
Luminária
Machina Speculatrix (Porfírio Silva)
Maia Actual
Mãos Visíveis
Mário Ruivo
Metapolítica (Tiago Barbosa Ribeiro)
Minoria Relativa
O Grande Zoo (Rui Namorado)
O Jumento
O Povo é Sereno
Raiz Política
Rui Tavares
Spectrum
Vias de facto
Vou ali e já venho (André Costa)
Vozes de Burros

Direita

31 da Armada
4R – Quarta República
A Arte da Fuga
A Douta Ignorância
A Origem das Espécies (Francisco José Viegas)
Abrupto (José Pacheco Pereira)
Albergue Espanhol
Alunos do Liberalismo
Blasfémias
Causa Monárquica (Rui Monteiro)
Clube das Repúblicas Mortas (Henrique Raposo)
Corta-fitas
Delito de Opinião
Era uma vez na América
Estado Sentido
Geração Rasca
Herdeiro de Aécio
Macroscópio
Menino Rabino (Marco Moreira)
Mercado de Limões (Tiago Tavares)
Minoria Ruidosa (Miguel Vaz)
O Cachimbo de Magritte
O Diplomata (Alexandre Guerra)
O Insurgente
Ordem Natural (Rui Botelho Rodrigues)
Palavrossavrvs Rex (Joaquim Carlos Santos)
Portugal Contemporâneo
Portugal dos Pequeninos
Psicolaranja
República do Caústico (João Maria Condeixa)
Rua da Judiaria
Suction with Valcheck
União de Facto

Outros

A Baixa do Porto (Tiago Azevedo Fernandes)
A Cidade Deprimente
A Cidade Supreendente
A Terceira Noite
Clube dos Pensadores (Joaquim Jorge)
De Rerum Natura
É tudo gente morta
Horas Extraordinárias (Maria do Rosário Pedreira)
Notas ao Café
O Diplomata
Arquivo

Abril 2015

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008