Domingo, 30 de Novembro de 2008
1 comentário

O Congresso do PCP tem sido, em termos de interpretação doutrinária, exemplar quanto à postura dos comunistas portugueses: agarrados a um modelo totalitário, violador do Direitos Humanos, que deu provas inequívocas de falir, e que, todavia, continuam a defender, com orgulho e sem pudor.

Quando tantos militantes defendem uma "nova sociedade" estão a pensar na defunta União Soviética e no seu modelo.

Ainda que o nome não tenha sido dito, no primeiro dia de trabalhos, a condenação da política de Gorbachov, a perestroika, foi apontada como uma das principais causas da queda do regime soviético, o que, para o PCP, em 1990, como em 2008, foi uma traição. Como se em 1985, face à fome e à grande crise económica que atravessava a URSS, nada fazer seria o melhor.

O mundo mudou e o PCP em vez de avançar, recua ou mantém-se nos tempos de Brejnev. Podiam ao menos estar no período de Tchernenko ou Adropov, ou, pelo menos, observar o que eles disseram sobre a situação soviética em meados de 80? Entretanto, estamos a entrar em 2009!

Tags:
comentar

Benefícios Fiscais

 

"O presidente da delegação de Viseu da Associação de Deficientes das Forças Armadas, João Gonçalves, iniciou dia 28 uma greve de fome em protesto contra os cortes nos direitos à saúde e na actualização de pensões, previstos no Orçamento do Estado (OE). "Que me matem já e acaba-se o sofrimento de vez, porque estou farto de sofrer toda a vida", disse à agência Lusa. O PS chumbou ontem no Parlamento duas propostas de alteração à lei de OE, apresentadas pelo CDS-PP e que defendiam a reposição da assistência médica e a actualização das pensões indexada ao salário mínimo nacional."

comentar

Não é necessária a experiência de Almeida Santos, nem tão pouco ser militante do PS, para perceber que qualquer candidato que se atravesse à frente de Sócrates tem de ser muito corajoso.

 

E chega a ser estúpido os inúmeros sinónimos de coragem..

 

Conhecedor da bipartidarização em Portugal, Almeida Santos sabe que Sócrates só sairá quando a governação terminar. E que depois disso, mesmo que a qualidade do principal partido de oposição se mantenha em níveis (im)popularmente baixos, virá o PSD, por muito que custe aos socialistas. Neste país, infelizmente, este cenário é tão fatal como o destino.

 

Por isso, até lá, mesmo que seja um sentimento podre, existirá um unanimismo, digamos antes uma estabilidade - para não ofender ninguém - que manterá Sócrates no poder do PS e este no poder do país. E enquanto o poder continuar, alguma migalha há-de cair, pelo que é bom conservar, mesmo que em divergência ideológica ou de acção, o digno promotor do Magalhães!

 

Resumindo e concretizando, enquanto o PS não entra na recta final, Passos Coelho não assume o PSD e as vozes discordantes dentro do PS vão continuar a acenar com um sorriso amarelo!  

 

É o eleitorado, que se queixa sempre dos mesmos e que não experimenta outros, que me permite a mim e a Almeida Santos, estas futurologias tão certeiras quanto ridículas!

Tags: ,
comentar

Um documento secreto a que o jornal “El País” teve acesso demonstra que o Governo espanhol sabia, pelo menos desde Janeiro de 2002, que os EUA iriam transportar, pelo espaço aéreo do país, suspeitos de terrorismo capturados no Afeganistão, com destino ao presídio de militar de Guantánamo. O jornal afirma que outros países da região, como Portugal, terão sido informados na mesma altura. Nem de propósito. Esta notícia vem confirmar a tese deste livro. Por cá o silêncio é tumular mas um dia deixará de o ser. (publicado no Tomar Partido)

Tags:
3 comentários

Somos campeões mundiais em extensão e crescimento da rede de auto-estradas desde 1990. Mesmo sem as novas concessões, Portugal já está entre os países que mais investiram e que têm maior número de km por habitante e área. Mas os dados da União Europeia e OCDE mostram que se investe pouco em manutenção. Diário de Noticias

E mesmo assim só agora Trás-os-Montes recebe investimentos significativos!

Que planeamento e programação fantásticos, que visão de betão! 

1 comentário

Cândida Almeida ,directora do DCIAP,deu uma extensa entrevista. Nela explica e contextualiza o trabalho recente do DCIAP e afirma que, nesta fase, o inquérito parlamentar pode prejudicar o processo BPN.Até aqui tudo muito bem, tudo "tecnicamente" compreensível, mas adensa-se um mistério, o que se passa com a PJ?Foram afastados da Operação Furação porquê exactamente?A "Guerra Santa entre o MP e a PJ"?Erros ou falhas graves?Interferências?Por "motivos derivados da questão"?!

Tags: ,
comentar

Estou abismado com tanto anti-comunismo primário. Revela, por um lado, muita ignorância, ao confundir modelos de filosofia política e sociológica com experimentalismos mais ou menos científicos. Ignora, igualmente, que uma grande parte das actuais teorias mais democratizantes se filia, ainda, nalgum materialismo histórico e raramente descola da dialéctica hegeliana materializada por Marx e Engels. Desconhece, também, a História. Desconhece os pressupostos que levaram aqueles autores a escrever o Manifesto e a sua semelhança com condições actuais das relações sociais, de classe, se quiserem - embora mais complexas e multipolares. Com certeza que teorias como o interaccionismo simbólico ou como a reflexividade mais institucional ou mais estética vieram ajudar a ler a sociedade de outra forma, diferente da do séc. XIX. Mas, pelo menos, conheça-se os movimentos intelectuais neo-marxistas, curiosamente, bem fundados no Estado de Illinois. Há um síndrome de fim da história que reaparece reflexivamente a um certo medo da insegurança que movimentos mais à esquerda podem criar em gerações inteiras que construíram uma vida e alimentaram expectactivas em torno de projecções agora estilhaçadas. Nem tanto à terra, nem tanto ao mar. Os tempos convidam a um pouco mais de relativismo e a menos fundamentalismos, de parte a parte. Curiosamente, os que defendem a inevitabilidade do progresso e do crescimento desconhecem, ou esquecem, que essa mesma ideia de progresso contínuo, mais do que a partir de Darwin, estruturou-se a partir do materialismo histórico. Não há uma só maneira de ver o mundo e a sua sociedade. Não há uma só maneira de responder aos mesmos problemas. E, por vezes, más soluções potenciam o surgimento de novas respostas. O mundo ocidental não seria como é se não tivesse existido União Soviética. Aos que não entendem a sobrevivência estrutural do PCP: perante um mundo de incertezas, de insegurança, de relativização de valores morais e éticos, de instabilidade, de progressivo individualismo e individuação, restará às mentes que buscam mais ordem e arrumação social uma mensagem organizada e teoricamente consistente acompanhada de um sonho de um mundo diferente. Julgo que se deve respeitar os comunistas portugueses tanto quanto se respeitam os crentes em qualquer religião.

Ad Confessionem

comentar

 

 

Nem uma palavrinha da FENPROF ou do PCP?Ops, um pleonasmo!

Estes aliados de ocasião por vezes tornam-se inconvenientes, os alunos, mas são eles a causa, o efeito, o objecto, o que mais importante o sistema de ensino contém, mas não parece muito, pois não?

Por acaso a apresentação da proposta de método de avaliação da FENPROF também passou algo discreta, sem grande comentário ou visibilidade, por exemplo de Mário Nogueira, será por ser um pouco, como direi, RIDÍCULA! 

Tags: , ,
comentar

Pela «luta de massas», contra «os inimigos de classe» e «grande capital» em direcção «à democracia avançada no limiar do séc. XXI» 

«...desse dia imenso, do fim do capitalismo. Nesse dia, disse, nós cantaremos a Internacional!»

 

  

 

 

Tags:
comentar

Na TVI, acerca dos vários mitos que rodeiam o tema "Cancro", um médico discorre  sobre o cancro do cólo do útero e de algumas pessoas pensarem, erroneamente, que este se poderia dever a "práticas erradas".Ora ele desfaz o mito, esta doença não se deve, obviamente, a essas "praticas erradas"...mas a quais "práticas erradas" é que ele se está a referir? 

comentar

Está reunida em congresso a maior estrutura partidária europeia de jovens.

 

Agora o tempo é de espera até ao encerramento das urnas e escrutínio dos resultados.

 

Será que a JSD vai ficar mais forte?

 

Conversamos novamente`daqui a pouco 

Tags:
3 comentários

Se escrevermos Santana Lopes no Google também encontramos coisas muito divertidas...isto são algumas das imagens da primeira folha de resultados!

Tags: , ,
comentar

 

Uma pesquisa por imagens com as palavras "o zé faz falta" no Google, indica, entre outras, esta. À falta de uma imagem do programa prós e contras sobre o terminal de contentores de alcântara com a secretária de estado Ana Paula Vitorino e José Sá Fernandes lado a lado, que foi premonitória em relação à recente união de facto entre o PS e o vereador que fazia falta, fica uma que retrata igualmente a situação.

Tags: ,
1 comentário

 

E se de repente o "passado", Carvalho da Silva, se candidatasse a uma Câmara Municipal Municipal famosa por uma coligação de esquerdas puras e imaculadas?

Claro, para isto teria de fazer finalmente a vontade ao Comité Central do PCP e colocar a CGTP nas mãos de um operacional bem mais duro e persistente, ou se preferirmos, menos sensato, mais obtuso e cumpridor das orientações da Soeiro Pereira Gomes.

Mas isso implicaria uma mudança antecipada no mandato de Carvalho da Silva, reeleito em Fevereiro deste ano...como é que se trataria desta troca?

Lembra-me um anúncio já antigo...

 

 

Tags: , ,
comentar

Estado quer anular divórcio de Oliveira e Costa

Tags:
Sábado, 29 de Novembro de 2008
1 comentário

"Eu acreditaria em mim" - Dias Loureiro, "Diário de Notícias", 29-11-2008

 

Tags: ,
comentar

"Para Cavaco, o escândalo do BPN diminui o brilho do seu longo governo e transforma a herança que ele julgara ter deixar num caso de polícia"

 

Vasco Pulido Valente, no Público (só para assinantes).

Tags:
1 comentário

Não fiz coro com os que riram ou zombaram quando se soube que Jerónimo de Sousa era o sucessor do cinzentão Carvalhas. Tive mesmo ocasião de escrever que ele podia ser uma hipótese de salvação do PCP. Bem sei que Jerónimo é um dos duros, ortodoxo, estalinista íntimo. Mas consegue ter um estilo de proximidade, simplicidade, autenticidade e simpatia como nem Cunhal tinha, com o "povo comunista". Nenhuma expectativa de mudança do PCP, portanto. Lá estão as ditaduras de Cuba e da Coreia, o apoio ao terrorismo das FARC, para nos prestar o serviço enorme de nos lembrar quem é o PCP. Mas também, no dia em que o PCP mudar, paradoxalmente, morre. Jerónimo, que não é burro sabe-o muito bem e encarregou-se, com método e indiscutível estilo, de não deixar dúvidas a ninguém que com ele o PCP era o mesmo de sempre, até nas expulsões e nas limpezas internas, como se está a ver. Anda muita gente surpreendida, por exemplo, com o apagamento interno dos deputados do PCP, designadamente com a saída de Honório Novo do Comité Central, o verdadeiro santuário do partido. Ora, o PCP nunca gostou dos seus deputados. Pude testemunhá-lo enquanto convivi com deputados comunistas durante quatro anos. Acha-os secretamente convertidos às delícias da burguesia, embora eles almocem cuidadosamente no refeitório do pessoal e não no restaurante do Parlamento. Agora, voltando à salvação: a actual força eleitoral do PCP (e do impagável Bloco) é um sintoma de que somos uma democracia atrasada, que ainda fornece fermento a fenómenos partidários que já deviam, há muito, ter perdido essa força. E, no sapatinho, saiu-lhes ainda por cima o desajeitado (com a esquerda) Sócrates. O PCP, por estes dias, exulta. Muito mau sinal para o país.

(publicado no Tomar Partido)

Tags: ,
comentar

Invejosos e Amigolândia, no Jumento

Tags:
3 comentários

Assumindo o fardo de jamais poder almejar a ser poder ao nível do governo (seria o ultimo passo para a sua destruição), sem nunca assumir responsabilidades, não tendo que definir politicas e objectivos consentâneos com o mundo real, para a economia real e a sociedade de hoje e amanha, é muito fácil ao PCP armadilhar o que quiser, proferir as barbaridades que lhes aprouver sem que isso seja alguma vez AVALIADO ou sequer testado, inventar o que lhes apetecer, destruir, alienar ou coligar-se consoante interesses exclusivamente do âmbito do xadrez eleitoral ou, no caso deste partido politico, da sobrevivência ideológica e politica no século XXI.

Reis do pragmatismo, senhores dum cinismo e falta de vergonha avassaladores, armados da mais populista treta e duma frieza arrepiante, mantendo lógicas e organizações que pouco evoluíram desde a clandestinidade, o PCP, com ou sem militantes mas armado de imensos sindicatos, algumas juntas de freguesia e câmaras municipais e uma multidão de funcionários do partido continua, mais purga menos purga, o seu caminho....nunca conquistar o poder ou comprometer-se com o poder a nível nacional, alimentar-se no poder local e noutras organizações, ser sempre um obstáculo à democracia e ao desenvolvimento e estar sempre em condições de chantagear o poder.

Inimigo número um?O PS.Ódio de estimação que um dia terá de ter um epilogo?O BE.

Maior engulho da história do PCP?O voto em Mário Soares contra Freitas do Amaral.

Esqueletos no armário?Muitos.

Este fóssil politico resiste e sobrevive, vai continuar qual Parque Jurássico, parasitando o espectro politico português e contaminando organizações e sindicatos para garantir o fim ultimo da sua existência...a sua sobrevivência.

A politica da terra queimada, do quanto pior melhor, prossegue inexoravelmente o seu caminho no ultimo bastião marxista leninista, ainda com alguma expressão, na Europa.

 

"A lei fundamental da revolução, confirmada por todas elas e, em particular, pelas três revoluções russas do século XX, consiste no seguinte: para a revolução não é suficiente que as massas exploradas e oprimidas tenham consciência da impossibilidade de viver como antes e reclamem mudanças. Para a revolução é necessário que os exploradores não possam viver nem governar como antes. Só quando as "camadas inferiores" não querem o velho e as "camadas elevadas" não podem sustentá-lo nos moldes antigos, só então pode triunfar a revolução. Em outros termos, esta verdade se expressa do modo seguinte: a revolução é impossível sem uma crise nacional geral (que atinja explorados e exploradores). Por conseguinte, para a revolução deve-se conseguir, primeiro, que a maioria dos trabalhadores (ou, pelo menos, a maioria dos trabalhadores conscientes, reflexivos, politicamente activos) compreenda, profundamente, a necessidade da revolução e esteja disposta a sacrificar a vida por ela; em segundo lugar, é preciso que as classes governantes atravessem uma crise de governo que empurre para a política até as massas mais atrasadas (o sintoma de toda revolução verdadeira é a decuplicação, a centuplicação do número de homens aptos para a luta política, representantes da massa trabalhadora oprimida, antes apática), que leva à impotência o governo e torne possível sua rápida derrubada pelos revolucionários. (Lenin — O Esquerdismo, Doença Infantil do Comunismo — Edições em línguas estrangeiras — Moscou, 1944)." -  "O Caldeirão das Bruxas e outros escritos políticos" Hermínio Sacchetta Pág. 135-138.

 

Tags:
comentar

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu hoje durante o XVIII Congresso do partido, no Campo Pequeno, em Lisboa, que a "cooperação estratégica" do Presidente da República, Cavaco Silva, com o Governo PS "animou" o executivo a assumir a "agenda do grande capital".

Jerónimo de Sousa abriu o congresso com uma forte crítica à "esquerda dentro do PS", de Manuel Alegre, acusando-a de "alimentar ilusões" e tentar "suster" a subida dos comunistas.

O Bloco de Esquerda mereceu "umas breves considerações" de Jerónimo, que apontou a sua "indefinição ideológica", o seu "carácter social-democratizante disfarçado de por um radicalismo verbal esquerdizante". "A sua fixação é o PCP e a sua concorrência é sempre contra o PCP, caindo muitas vezes no anticomunismo", afirmou.

 

À excepção da arenga do costume, de que o grande capital conta com o apoio do Governo (isto o PCP já diz há mais três décadas), as palavras de Jerónimo de Sousa, hoje, são diferentes das que proferiu há pouco mais de uma semana na entrevista à TVI. Que tenha notado, não me apercebi de qualquer referência, por exemplo, à Segurança Social, que este Governo do PS tem sabido valorizar no campo público. E ainda dizem que é neoliberal! Anátemas cheios de vazio! 

Por outro lado, Alegre e o BE deixaram de ser potenciais aliados para serem condenados.

Quando há pouco mais de um mês Jerónimo equacionou um namoro com o BE, as sondagens cedo mostraram que o PCP descia, tal como o Bloco. Assim, nada como recuperar a postura ortodoxa, da superioridade comunista e condenação de todas as outras ideologias, nomeadamente a social-democrata, lembrando os animados e ásperos confrontos dialécticos que os comunistas russos dirigiam à social-democracia alemã no início do século XX. Jerónimo podia ter sido 100% fiel à postura leninista e condenar, no seu discurso, o sistema democrático.

O mundo mudou, mas o PCP mantém-se fiel a um tempo que já passou e (felizmente) não regressa.

Notei que na primeira fila dos convidados estavam sentados os kamaradas Carvalho da Silva e Mário Nogueira, provavelmente a recuperar do esforço físico das manifestações. Em especial o líder da FENPROF A única coisa, ao fim e ao cabo, que sabem fazer, pois de propostas, nada se sabe, nada se vê.

Um congresso para continuar a acompanhar.

Tags:
1 comentário

Tags: , ,
1 comentário

Agora que o curto discurso do camarada Jerónimo acabou, vejo cá fora o meu amigo Luís Rego da SIC a entrevistar outro conhecido meu, o Zé Lourido, que afirma ter assistido a um discurso "dialéctico que entende a realidade e que dentro dessa realidade a procura transformar e é por isso que não é dogmático".

 

Afinal eu estava errado. Entenderam todos o que o camarada Jerónimo esteve a dizer!

Tags:
comentar

Para um partido que tanto preza a igualdade como último factor da verdadeira liberdade, gosto da forma como enumera "quadros com conhecimento social, cultural, técnico e científico e demais jovens e mulheres"! 

É isto que resulta da luta de classes?

Tags:
comentar

Duvido que muitos estejam a conseguir acompanhar o discurso do camarada Jerónimo. É uma questão de "dialética não cristalizada nem dogmatizada" qualquer coisa "do capital" que me levar a crer nisto.

 

 

Tags:
comentar

O texto não é meu, mas vem publicado no Spectrum por um tal de Rick Dangerous (bom jogo este para os saudosos do load"").
Vale a pena ler alguns excertos para perceber o quanto vale tomar uma decisão responsável na altura de votar.

 

"O meu primeiro comentário diz respeito à natureza do projecto autárquico do Bloco de Esquerda. Parece-me legítimo afirmar que desde as eleições de 2001 (as primeiras a que concorreu) que se tem observado um gritante vazio de reflexão estratégica acerca do poder local e dos seus usos, por parte do Bloco. São inúmeras as pessoas que conheço que me revelaram ter entrado em listas autárquicas sem qualquer intenção de cumprir o respectivo mandato, sem ter participado em qualquer discussão programática e, por vezes, sem sequer terem sido informadas. Ouvi em primeira mão de um dirigente do BE, num acampamento de jovens da IV Internacional realizado em Roma em 2001, que todos os militantes e simpatizantes deveriam tratar do seu cartão de eleitor porque todos seriam candidatos nas eleições. E recordo-me de inúmeros terem concorrido em terras onde nunca estiveram e das quais nunca tinham ouvido falar.
Desde o início que o BE, na ausência de uma implantação local digna desse nome e de qualquer tipo de intervenção quotidiana organizada fora dos períodos eleitorais, abordou as eleições autárquicas em função do seu objectivo de crescer eleitoralmente. E subordinou assim a sua intervenção no poder local a objectivos de propaganda, em detrimento de qualquer perspectiva de transformação da vida quotidiana das respectivas populações. Ninguém parece interessado em falar disso, mas qual o balanço do mandato autárquico da «Anita» em Salvaterra de Magos?
(...)
Em vez disso, tudo o que vemos é outra coisa e o comunicado da concelhia de Lisboa é uma verdadeira demonstração de má-fé e desonestidade intelectual. É absolutamente inaceitável que, depois de terem aceite o acordo, venham agora escrever, como se lê na página 3, que Sá Fernandes fez uma proposta de entendimento com o PCP e o PS, durante a campanha, "contra a opinião do Bloco de Esquerda".
Note-se o total contrasenso - "o acordo não se fez e não havia nem condições nem razões para o fazer". Mas o acordo fez-se e as razões e condições que não existiam foram aceites por esta mesma concelhia, que agora sacode a água do seu capote com a facilidade com que o BPN abria contas em offd-shores. Parece em todo o caso óbvio que, sem coragem para rejeitar um acordo a que se opunham, os dirigentes concelhios do BE preferiram ficar à espera da melhor oportunidade para o rasgar.
(...)
Quando não se sabe o que fazer ao poder local, mais vale ficar quietinho."

Tags: , ,
Sexta-feira, 28 de Novembro de 2008
comentar

Calderón reconoce que la mitad de los policías mexicanos son "no recomendables" El Gobierno envía a la ONU un informe que admite que su sistema de justicia requiere "urgentemente" una depuración

 

Num país assolado por corrupção, em que as forças da autoridade estão minadas e muitos dos agentes estão comprados pelas longas e fortes teias dos grupos narcotráfico, é preciso coragem para reconhecer isso em público.

Desde que tomou posse, Felipe Calderón tem demonstrado ser um político determinado na sua missão de melhorar o México.

O combate aos traficantes tem sido feito sem tréguas e já resultaram várias mortes de inocentes. Não obstante a realidade mexicana enfrentar e debilitar o Estado, o Estado tem assumido as suas funções e Calderón tem sido o rosto da mudança.

O documento enviado à ONU, com base num estudo realizado, e tornado público, que reconhece a desonestidade de muitos polícias, é uma pedrada no charco e mais uma prova de que o Presidente mexicano está determinado em combater os cartéis que desacreditam e empobrecem o país.

 

(Publicado no Palavra Aberta)

Tags:
1 comentário

Criação de fundação da Maçonaria origina queixa na Justiça.

A queixa foi entregue a 13 de Novembro no Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa, como confirmou à agência fonte da Procuradoria-Geral da República, segundo a qual a participação-crime originou a abertura de um inquérito.
Acusações de burla qualificada, falsificação por funcionário, abuso de poder, gestão danosa e abuso de confiança são acusações usadas contra António Reis e os outros dois dirigentes do GOL, facto que levou o próprio grão-mestre a emitir um comunicado a 20 de Novembro.Triste!

 

 

comentar

Leio este escrito de António Prôa e fico espantado como consegue enquadrar o local onde a nova travessia do Tejo vai desembocar em Lisboa, Chelas, como sendo o centro de Lisboa, numa má e desenquadrada analogia com o túnel do Marquês.

Além de omitir o papel de António Costa, que apresentou uma proposta para melhorar a entrada da nova via na capital, António Prôa também podia lamentar o facto de mais comboios entrarem em Lisboa, o que traduzirá mais ganhos, em especial para os utentes e para o ambiente, pelo uso deste meio de transporte.   

Tags:
6 comentários

A manchete de ontem no DN, e que pode ser consultada na integra aqui, é reveladora do espírito construtivo e de progresso (…), com que Mário Nogueira e a sua parafernália de sindicatos, se encontra a negociar com a Ministra da Educação.


Ficámos portanto a saber que a proposta alternativa ao modelo de avaliação, que Mário Nogueira anunciou durante dias, cheio de raiva, prepotente e chegando a ser insultuoso, é afinal um modelo de auto-avaliação.

 

Ou seja, o que os sindicatos propõem é que sejam os professores a avaliar-se a si próprios. Compreendo agora o terem sido contra a imposição de quotas máximas para as avaliações de bom e excelente.

 

Como diria Scolari…e o burro sou eu?

Tags: , ,
Pesquisar
 
Contactos
camaradecomuns@sapo.pt

Editorial

Visitantes online

Comentários Recentes
Para mim casamento deve ser entre um homem e uma m...
Caro RFCom a modéstia com que foi escrito, podes t...
N sei q espirito deus aspirou pr a Africa. este co...
Mocambique està mais que tudo isto, sinto d...
e há cartas que nunca chegam.
Aguem colocou esta carta excelente na página de PP...
Τambém gosto de brincar aos pobrezinhos.NUNCA MAIS...
Τambém gosto de brincar aos pobrezinhos.NUNCA MAIS...
Everdade este pais precisa de um bom governador k ...
Casino EstorilA falta de escrúpulos veio para fic...
Tags

todas as tags

Links

Esquerda

5 dias
A barbearia do senhor Luís (Luís Novaes Tito)
A Busca pela Sabedoria (Micael Sousa)
A Forma e o Conteúdo (José Ferreira Marques)
A Forma Justa (Tiago Tibúrcio)
A Linha-Clube de Reflexão Política
A Nossa Candeia (Ana Paula Fitas)
Absorto (Eduardo Graça)
Activismo de Sofá (João R. Vasconcelos)
Adeus Lenine
Arrastão
Aspirina B
Banco Corrido (Paulo Pedroso)
Bicho Carpinteiro
Câmara Corporativa
Câmara de Comuns
Cantigueiro
Causa Nossa
Cortex Frontal
Defender o Quadrado (Sofia Loureiro dos Santos)
Der Terrorist (José Simões)
Entre as brumas da memória (Joana Lopes)
Esquerda Republicana
Hoje há conquilhas (Tomás Vasques)
Irmão Lúcia (Pedro Vieira)
Jovem Socialista
Jugular
Ladrões de Bicicletas
Les Canards libertaîres
Léxico Familiar (Pedro Adão e Silva)
Loja de Ideias
Luminária
Machina Speculatrix (Porfírio Silva)
Maia Actual
Mãos Visíveis
Mário Ruivo
Metapolítica (Tiago Barbosa Ribeiro)
Minoria Relativa
O Grande Zoo (Rui Namorado)
O Jumento
O Povo é Sereno
Raiz Política
Rui Tavares
Spectrum
Vias de facto
Vou ali e já venho (André Costa)
Vozes de Burros

Direita

31 da Armada
4R – Quarta República
A Arte da Fuga
A Douta Ignorância
A Origem das Espécies (Francisco José Viegas)
Abrupto (José Pacheco Pereira)
Albergue Espanhol
Alunos do Liberalismo
Blasfémias
Causa Monárquica (Rui Monteiro)
Clube das Repúblicas Mortas (Henrique Raposo)
Corta-fitas
Delito de Opinião
Era uma vez na América
Estado Sentido
Geração Rasca
Herdeiro de Aécio
Macroscópio
Menino Rabino (Marco Moreira)
Mercado de Limões (Tiago Tavares)
Minoria Ruidosa (Miguel Vaz)
O Cachimbo de Magritte
O Diplomata (Alexandre Guerra)
O Insurgente
Ordem Natural (Rui Botelho Rodrigues)
Palavrossavrvs Rex (Joaquim Carlos Santos)
Portugal Contemporâneo
Portugal dos Pequeninos
Psicolaranja
República do Caústico (João Maria Condeixa)
Rua da Judiaria
Suction with Valcheck
União de Facto

Outros

A Baixa do Porto (Tiago Azevedo Fernandes)
A Cidade Deprimente
A Cidade Supreendente
A Terceira Noite
Clube dos Pensadores (Joaquim Jorge)
De Rerum Natura
É tudo gente morta
Horas Extraordinárias (Maria do Rosário Pedreira)
Notas ao Café
O Diplomata
Arquivo

Abril 2015

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008