Quarta-feira, 30 de Abril de 2008
comentar

"Um puto de 18 anos, com pinta de Bruce Lee e notório mau humor, mandou dois polícias para o hospital a toques de pontapé, e foi o suficiente para montar o cenário para mais uma overdose comunicacional sobre o aumento da insegurança e a necessidade de mais efectivos policiais."

Pedro Sales, Zero de Conduta

 

O Pedro não compreende o problema da violência, principalmente na juventude. Não quero com isto dizer que partilho da euforia do CDS, quando aborda este tema, mas também não consigo olhar com a naturalidade com que o Pedro Sales, mas também o Bloco de Esquerda, olham quando falamos da criminalidade e do reforço das forças policiais.

 

Quando o BE nasceu, uma das suas grandes bandeiras era a polícia não usar armas de fogo, em certo tipo de actividades, como por exemplo o mero patrulhamento. Claro que o BE cresceu, ganhou algum peso eleitoral e com isso algumas, embora não se note muito, responsabilidades. Esta proposta tem sido silênciada.

 

Hoje o Pedro Sales ataca a imprensa por se preocupar com um "Bruce Lee" que espanca dois polícias e olha com naturalidade para o caso da esquadra de Moscavide. Amanhã este problema, se não for combatido, com um forte reforço do número de policias na rua, vai-se agravar.

 

Sou de esquerda e sempre o fui. Gosto de ler o que o Pedro escreve e acho que é um jovem que em muito tem ajudado o Bloco de Esquerda a crescer. No entanto, há posições que não se compreendem, por parte de dirigentes de uma força partidária que ambiciona tornar-se a terceira força política em Portugal. O Bloco precisa de amadurecer, por isso sou de Esquerda e não Esquerdista e por esse mesmo motivo acho que a segurança também deve ser uma bandeira da Esquerda.

Tags: , ,
3 comentários:
De Pedro Sá a 30 de Abril de 2008 às 09:37
Se o BE desaparecesse isso sim era um bom serviço...


De Miguel Lopes a 30 de Abril de 2008 às 12:51
Os dados dizem que a criminalidade tem vindo a diminuir e ao mesmo tempo a sofisticar-se. Convém não embarcar na hipocrisia do PP que defende mais polícia de patrulha na rua para um problema que se resolve com polícia de investigação.
É claro que convém organizar as esquadras para não deixar lá ninguém sozinho. Pelo menos nas zonas mais perigosas.

P.S. Achei engraçada essa bandeira dos polícias não poderem usar armas de fogo. Pagar por polícias que na hora da verdade não podem fazer nada. Tá giro!



De l.rodrigues a 2 de Maio de 2008 às 10:50
Não era/é assim em Inglaterra, com muito mais crime do que nós?
A figura do "Bobby" desarmado podia fazer rir os americanos mas a mim, pelo menos, dava-me um ar de civilização...


Comentar post

Pesquisar
 
Contactos
camaradecomuns@sapo.pt

Editorial

Visitantes online

Comentários Recentes
Para mim casamento deve ser entre um homem e uma m...
Caro RFCom a modéstia com que foi escrito, podes t...
N sei q espirito deus aspirou pr a Africa. este co...
Mocambique està mais que tudo isto, sinto d...
e há cartas que nunca chegam.
Aguem colocou esta carta excelente na página de PP...
Τambém gosto de brincar aos pobrezinhos.NUNCA MAIS...
Τambém gosto de brincar aos pobrezinhos.NUNCA MAIS...
Everdade este pais precisa de um bom governador k ...
Casino EstorilA falta de escrúpulos veio para fic...
Tags

todas as tags

Links

Esquerda

5 dias
A barbearia do senhor Luís (Luís Novaes Tito)
A Busca pela Sabedoria (Micael Sousa)
A Forma e o Conteúdo (José Ferreira Marques)
A Forma Justa (Tiago Tibúrcio)
A Linha-Clube de Reflexão Política
A Nossa Candeia (Ana Paula Fitas)
Absorto (Eduardo Graça)
Activismo de Sofá (João R. Vasconcelos)
Adeus Lenine
Arrastão
Aspirina B
Banco Corrido (Paulo Pedroso)
Bicho Carpinteiro
Câmara Corporativa
Câmara de Comuns
Cantigueiro
Causa Nossa
Cortex Frontal
Defender o Quadrado (Sofia Loureiro dos Santos)
Der Terrorist (José Simões)
Entre as brumas da memória (Joana Lopes)
Esquerda Republicana
Hoje há conquilhas (Tomás Vasques)
Irmão Lúcia (Pedro Vieira)
Jovem Socialista
Jugular
Ladrões de Bicicletas
Les Canards libertaîres
Léxico Familiar (Pedro Adão e Silva)
Loja de Ideias
Luminária
Machina Speculatrix (Porfírio Silva)
Maia Actual
Mãos Visíveis
Mário Ruivo
Metapolítica (Tiago Barbosa Ribeiro)
Minoria Relativa
O Grande Zoo (Rui Namorado)
O Jumento
O Povo é Sereno
Raiz Política
Rui Tavares
Spectrum
Vias de facto
Vou ali e já venho (André Costa)
Vozes de Burros

Direita

31 da Armada
4R – Quarta República
A Arte da Fuga
A Douta Ignorância
A Origem das Espécies (Francisco José Viegas)
Abrupto (José Pacheco Pereira)
Albergue Espanhol
Alunos do Liberalismo
Blasfémias
Causa Monárquica (Rui Monteiro)
Clube das Repúblicas Mortas (Henrique Raposo)
Corta-fitas
Delito de Opinião
Era uma vez na América
Estado Sentido
Geração Rasca
Herdeiro de Aécio
Macroscópio
Menino Rabino (Marco Moreira)
Mercado de Limões (Tiago Tavares)
Minoria Ruidosa (Miguel Vaz)
O Cachimbo de Magritte
O Diplomata (Alexandre Guerra)
O Insurgente
Ordem Natural (Rui Botelho Rodrigues)
Palavrossavrvs Rex (Joaquim Carlos Santos)
Portugal Contemporâneo
Portugal dos Pequeninos
Psicolaranja
República do Caústico (João Maria Condeixa)
Rua da Judiaria
Suction with Valcheck
União de Facto

Outros

A Baixa do Porto (Tiago Azevedo Fernandes)
A Cidade Deprimente
A Cidade Supreendente
A Terceira Noite
Clube dos Pensadores (Joaquim Jorge)
De Rerum Natura
É tudo gente morta
Horas Extraordinárias (Maria do Rosário Pedreira)
Notas ao Café
O Diplomata
Arquivo

Abril 2015

Dezembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Março 2013

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008